As primeiras palavras do Papa Francisco na América Latina: a importância social da Igreja

Há menos de 24 horas no continente americano, o papa Francisco já participou de dois compromissos oficiais e deixou suas mensagens ao povo. Na tarde de ontem, dia 5, o pontífice romano desembarcou em Quito, Equador, para sua segunda viajem à América Latina. Foi recepcionado pelo presidente equatoriano Rafael Correa e pelos bispos locais e pronunciou algumas palavras de agradecimento (confira aqui o texto completo, em espanhol). Já no início da tarde de hoje, 6, visitou o Santuário da Divina Misericórdia, em Guayaquil e presidiu, em Parque Samanes, uma missa para cerca de 1 milhão de pessoas. (confira a homilia completa, em espanhol).

No aeroporto: agradeceu a acolhida

Como é de costume, após receber as boas vindas de uma comitiva local, o papa aproveita a ocasião para agradecer os preparativos do evento e deixa algumas palavras que dão o tom de sua visita. Em primeiro lugar, salientou a importância pessoal da visita e sua estreita relação com o continente ao agradecer a Deus pela oportunidade de voltar à América Latina. Em seguida, pediu por “uma especial atenção aos nosso irmãos mais frágeis e às minorias mais vulneráveis, que são a dívida que tem toda a América Latina.” Sustentando sua posição de crítica social, como adiantei no sábado. Lembrou ainda os santos equatorianos, Santa Mariana de Jesus, Miguel Febres Cordeiro, Narcisa de Jesus e a beata Mercedes de Jesus Molina.

Em Guayaquil: a importância da família

Já na tarde de hoje, o papa preferiu reafirmar os valores da Igreja, especialmente no âmbito da família. Clamou por mais atenção e amor aos filhos, aos esposos e aos idosos e sustentou a família como base da sociedade. “A família é o hospital mais próximo, a primeira escola das crianças, o grupo de referência imprescindível aos jovens, o melhor asilo para os anciãos. A família constitui a grande riqueza social que outras instituições não podem substituir, que deve ser ajudada e potencializada para nunca perder o justo sentido dos serviços que a sociedade presta ao cidadão.

Pediu orações pelo Sínodo da Família, que será no Vaticano em outubro, para que se possa “encontrar soluções concretas para as muitas dificuldades e importantes desafios que a família deve enfrentar em nossos dias“. Disse ainda que nossas preocupações também são as preocupações de Deus. E encerrou com esperança dizendo que o melhor ainda está por vir.

Autor: Thiago Caminada

Jornalista, Mestre em Jornalismo (UFSC). Coordenador do "Olhar Vaticano". Assessor de comunicação, servidor público de carreira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s