Francisco no Panamá: Um pastor em meio aos pastores

O Papa Francisco já está no Panamá para a Jornada Mundial da Juventude. Na quarta-feira (23), o Pontífice foi recebido no aeroporto Tocumen com honras de chefe de Estado. No entanto, os primeiros compromissos oficiais foram na manhã desta quinta-feira (24) com o presidente panamenho Juan Carlos Varela com autoridades, corpo diplomático e representantes da sociedade civil. Em seguida, encontrou os bispos do Secretariado Episcopal da América Central (SEDAC).

Encontro do Bispo de Roma com os bispos da América Central
Na igreja São Francisco de Assis, o Papa falou aos bispos do SEDAC como um irmão no episcopado diante de muitos dos seus e não como um chefe. Algumas vezes falou de si mesmo como um bispo, um “bispo de uma grande diocese” que é Roma.

Depois de receber a saudação do presidente do secretariado Dom José Luis Escobar Alas, arcebispo de San Salvador, Francisco falou sobre a vocação profética do episcopado da América Central, da crise de refugiados, de São Óscar Romero como exemplo e da valorização do povo, de sua cultura e dos sacerdotes.

O Santo Padre agradeceu a acolhida e destacou “a oportunidade de estar mais próximo de seus povos”. Lembrou da tradição profética do episcopado latino-americano e, em especial, da América Central. “Muitos ofereceram suas vida e derramaram seu sangue  para manter a voz profética da Igreja contra a injustiça do enriquecimento de tantas pessoas e o abuso de poder”.

A vida e as palavras de São Oscar Romero guiaram boa parte da reflexão do Papa. Francisco classificou Romero como alguém que encarnou o DNA dessa igreja particular. “Sua vida e ensinamento são fonte de inspiração para nossa Igreja e de modo particular para nós bispos”. O papa motivou cada bispo a “sentir com a Igreja”. Para ele, Romero serviu à Igreja porque primeiro amou a Igreja com um amor encarnado e gratuito.

Para o papa, “seguir Cristo não é coisa do passado”. O papa retomou com ardor o tema de sua proposta de uma Igreja em saída. “Não tenhamos medo de aproximarmos e de tocar as feridas de nossa gente que também são nossas feridas”, disse. Em especial, Francisco lembrou da oportunidade de se aproximar dos jovens nesta jornada. “A JMJ é uma oportunidade para sair ao encontro e se aproximar de nosso jovens”. Em meio ao contexto de violência da América Latina, o papa pediu aos bispos que saiam às ruas, antes que a violência chegue primeiro.

Francisco falou com fervor das características e particularidades da Igreja na América Central. Usou o termo “autoestima cultural” ao lembrar que o Panamá e seus vizinhos “têm uma história rica que há de ser assumida, valorizada e alentada”. Ao lembra das jornadas do jovens indígenas e de descendência africana chamou a atenção dos irmãos no episcopado a cuidar das raízes, dos ricos valores culturas

O Papa chamou a tenção para as crises migratórias e os dilemas com os refugiados. “Acolher, proteger, promover e integrar povos, podem ser os 4 verbos” da Igreja diantes desses povo migrantes. Exortou os bispos a terem o cuidado com esses povos como um gesto profético da Igreja. Pediu atenção dos prelados com as comunidades de origem e de destino dos refugiados.

Pediu aos bispos que reservassem um tempo para atender aos seus sacerdotes. “Quanto me afeta a vida de meus padres? Quanto sou capaz de me deixar impactar com as dores e alegrias” do povo? – questionou o Papa. Criticou com veemência o funcionalismo e o clericalismo como caricatura e perversão do ministério episcopal.

Por fim pediu ao bispos que se colocassem em atitude de compaixão. E pediu uma atenção aos costumes e atitudes de cada bispo para promover um Igreja pobre. “Quem sege a Cristo é pobre”  e a pobreza “nos ajuda a fazer um igreja cada vez mais livre”.

Ainda hoje, o Papa Francisco fará sua primeira participação na JMJ. A acolhida oficial do Santo Padre será às 19h30, no horário brasileiro de verão, e terá cobertura do Olhar Vaticano. A jornada iniciou na terça-feira (22) com a missa presidida pelo arcebispo do Panamá José Domingo Ulloa.

Acompanhe no Olhar Vaticano a cobertura completa da Jornada Mundial da Juventude. Estamos no InstagramFacebookTwitter e site.

Anúncios

Comentários

2 comentários em “Francisco no Panamá: Um pastor em meio aos pastores”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s