JMJ Panamá 2019: Entrevista com Gabriel Carlos Souza

Gabriel Carlos de Souza é o segundo entrevistado da série iniciada pelo Olhar Vaticano para conversar sobre a experiência da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) com as fontes da reportagem “Uma jornada de experiências e serviço”.

Além da JMJ, Gabriel também participou do projeto missionário dos jesuítas Magis, na Guatemala. Assim como o Jorge, Gabriel também compartilhou suas experiências com nossos seguidores no Instagram. Nas próximas linhas, no vídeo e nas fotos é possível sentir a emoção do jovem de Florianópolis na América Central.

Como foi sua experiência com o papa Francisco na JMJ Panamá 2019?
O Papa esteve presente nos momentos de aglutinação de massa da JMJ. Ou seja, na acolhida do papa, na Via Crucis, vigília e missa de encerramento. No momento que ele chegou, estávamos em um restaurante e tudo e todos paravam para ver o papa dar o primeiro passo no Panamá. Foi um momento de muita emoção. Corremos para a grade, em seguida, para ver o papa passar já no papa móvel. Estava já muita gente reunida próximo a grade, tentando um local mais perto da grade. A emoção do povo ao ver ele passar foi incrível. Falar da proximidade dos jesuítas.
A sensação é incrível. Era notório o carinho pelo Brasil pelos mais diversos países. Além disso, ver um grande conglomerado de pessoas que partilham a mesma fé, apesar das diferentes culturas, é algo que anima minha caminhada.

Como foi sua experiência na Guatemala no Magis?
Minha experiência na Guatemala foi bem interessante e diferenciada. O Magis separou diversas delegações por toda América Latina. O Brasil e a Polônia ficaram na Guatemala. Na Gautemala, ficamos dois dias na capital e fomos recebidos pela Universidade Rafael Landívar. Fomos divididos por toda a Guatemala. Fui para uma região chamada Huehuetenango, na cidade de Santa Bárbara, na comunidade indígena La Vega. Ficamos eu, um brasileiro e mais um guatemalteco. É uma comunidade muito pobre, a maioria das casas não tinha divisórias nem banheiro e não há acesso a muitos bens de consumo. Em uma das casas nos serviram suco e disseram: “é tudo que temos” e isso me marcou bastante. Aprendia a falar alguma palavras em Maia e escrever outras. E depois voltamos para a universidade, para a capital e por fim para o Panamá com o encerramento em conjunto com todas as delegações do mundo. Aquela comunidade ainda não saiu da minha cabeça.

Qual a mensagem que esta jornada deixa na sua vida?
A jornada é importante para reafirmar a fé e o compromisso com a construção do reino de Deus. Isso é vital para continuarmos os processos de articulação de juventude. Trago mais força para construir e prosseguir com fé no caminho.


| INSTAGRAM| FACEBOOK| TWITTER |

Autor: Thiago Caminada

Jornalista, Mestre em Jornalismo (UFSC). Coordenador do "Olhar Vaticano". Assessor de comunicação, servidor público de carreira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s