A imagem mostra na primeira parte o Papa Francisco sorrindo com a mão direita no queixo. Acima da foto está escrito o nome do autor "Leonardo Boff". E abaixo está escrito "Francisco de Assis Francisco de Roma Um nova primavera na Igreja?". No outro lado, à direita, uma ilustração com São Francisco de Assis ao lado de uma pomba branca e com uma maçã na mãos esquerda. Ao fundo casas e um árvore florida. Acima da ilustração está escrito "Leonardo Boff". E abaixo está escrito "Francisco de Assis Francisco de Roma Um nova primavera na Igreja?".

Resenha: Francisco de Assis e Francisco de Roma: uma nova primavera na Igreja?, de Leonardo Boff

As ideias de um teólogo renegado

A eleição de Jorge Bergoglio como papa e a escolha do nome de Francisco motivou o controverso e renegado teólogo brasileiro Leonardo Boff a escrever mais uma vez sobre a Igreja Católica. De notória capacidade intelectual, Boff liderou a chamada Teologia da Libertação, vertente teológica muito difundida na América Latina nas décadas de 1970 e 1980. Como padre e religioso pediu afastamento em 1992, prestes a receber outra advertência pública da Congregação da Doutrina da Fé pelo então cardeal Joseph Ratzinger (futuro Bento XVI), deixando a Ordem dos Frades Menores (Franciscanos). Por isso, apesar de toda a polêmica envolvendo sua trajetória, Boff é alguém interessante a se ouvir quando sobe ao trono de Pedro um bispo latino-americano, que escolhe o nome de Francisco e, assim como ele, teve formação teológica em escolas alemãs.

 Porém, as semelhanças e coincidências entre o brasileiro ex-franciscano e o argentino jesuíta param por aí. Enquanto que Jorge Bergoglio é um exímio padre da Companhia de Jesus, devoto da obediência, Leonardo Boff é dissidente da Ordem Franciscana, fortemente conhecido por sua personalidade crítica e questionadora. E ainda, enquanto o primeiro é um padre de paróquia, um pastor em meio ao povo, o outro tem perfil mais especulativo e científico, um teólogo. Por fim, Bergoglio foi um forte crítico da Teologia da Libertação na Argentina.

Leia também: Resenha: Pode me chamar de Francisco, série Original Netflix

Entre tantas similaridades e tantos distanciamentos, Boff responde positivamente à indagação estampada na capa do livro: uma nova primavera na Igreja? Para o autor, pouco importa se Francisco é ou deixa de ser um simpatizante de sua corrente teológica, o que lhe interessa é que o novo papa “presidirá na caridade”. Fazendo a comparação entre os dois “Franciscos”, o brasileiro acerta em cheio na projeção do pontificado voltado à preocupação com os menos favorecidos. Outra questão levantada acertadamente por Boff é a preocupação com a ecologia, tema da primeira encíclica lançada pela papa (leia sobre a Laudato Si). De fato, essas são as duas questões mais populares na biografia e devoção de pobrezinho de Assis e confirmadas no pontificado do, chamado pelo autor, Francisco de Roma.

O livro tem um caráter ensaístico e exagera em alguns pontos. Em certos momentos, o autor faz-nos acreditar que o papa terá poder de implantar grandes reformas na estrutura da Igreja. O que Francisco até vem tentando no Vaticano, mas sem sucesso. Boff defende a total reestruturação e descentralização da Cúria Romana e outras mudanças doutrinárias no curso da Igreja. O autor se esquece de que para isso seria necessário que o papa reformasse as mentes e corações dos líderes da Igreja, além da necessidade de um longo pontificado para que essas transformações pudessem amadurecer. Apesar disso, vale a leitura da obra para se compreender a visão ideal de Igreja do renegado teólogo e intelectual Leonardo Boff.

Trazido ao público por uma editora nova no mercado, a diagramação do livro é satisfatória. Criada em 2005, a Mar de Ideias – Navegação Cultural edita outros títulos de Boff. O Sumário nas primeiras páginas tem pouco espaçamento e a ideia de duas capas (como se pode ver na imagem no início do texto) é original, mas pode confundir o leitor. Assim como o livro, a brochura faz um paralelo entre São Francisco de Assis em uma gravura e o Papa Francisco em foto. Um exercício constante de projeção das ideias do pontífice e de regressão à figura do santo de Assis.

FICHA TÉCNICA
Título: Francisco de Assis e Francisco de Roma: uma nova primavera na Igreja?
Autor: Leonardo Boff
Editora: Mar de Ideias Navegação cultural
Ano: 2013 (1ª Edição)
Páginas: 80

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s