A imagem mostra as fotos do quatro mártires argentinos beatificados. Na primeira foto está escrito abaixo em espanho, "Enrique Ángel Angelelli Obipos"; na segunda "Gabriel Longueville Sacerdote"; na terceira "Carlos Murias Religioso"; e na quarta foto da montagem "Wenceslao Pedernera Laico".

Pode me Chamar de Francisco: bispos, padres e religiosos perseguidos na ditadura argentina

Enrique Angelelli, Franzs Jalics e Orlando Yorio são os três perseguidos pela ditadura militar argentina destacados na série Pode em Chamar de Francisco. Eles são apenas três personagens ligados a Jorge Mario Bergoglio e simbolizam uma infinidade de bispos, padres, religiosos e leigos católicos vítimas do regime ditatorial imposto na Argentina entre os anos de 1976 e 1981. Sob o golpe do general Jorge Videla, mais 30 mil pessoas foram mortas e milhares de torturados e desaparecidos.

Na produção original Netflix, mal dá para saber que Angelelli, além de amigo do padre Jorge, é bispo. O assassinato do bispo de La Rioja é retratado após uma perseguição de carro. Já Yorio e Jalics são torturados e, depois dos pedidos do superior jesuíta Bergoglio são resgatados.

As polêmicas entre Francisco e Jalics e Yorio
Em março de 1976 os padres Jalics e Yorio, conhecidos como curas villeros (padres das favelas), são presos pelo regime ditatorial argentino acusados de conspiração comunista. Segundo investigações posteriores, uma catequista da paróquia tinha ligação com grupos de libertação da argentina e os padres foram considerados cúmplices.

Na época, Jorge Mario Bergoglio é o superiro jesuíta da região, responsável pelos sacerdotes. A série retrata a amizade entre os padres e os esforços de Bergoglio em se libertar seus padres. Encontrou-se com o cardeal arcebispo de Buenos Aires e simpatizante do regime Juan Carlos Aramburu, o almirante Armada Naval argentina Emilio Massera e até o general presidente Jorge Videla. Cinco meses após a captura, os padres são libertados.

No entanto, a história é controversa. Yorio e Jalics acreditaram por muitos anos que Bergoglio os traiu. Tanto que na série é retratada a resistência deles em ver o superior jesuíta logo após a liberdade. A tensão é retratada na briga entre o futuro papa e uma irmã de um convento onde eles estavam abrigados. Por muitos anos, o governo argentino de Cristina Kirchner e opositores de Francisco utilizaram o acontecido para espalhar rumores da proximidade entre Jorge Bergoglio e o regime ditatorial argentino. Mentira desmentida muitos anos depois pelo próprio padre Franz Jalics. Yorio morreu em 2000, no Uruguai, ainda sob a suspeita de Bergoglio e Jalics vive hoje na Alemanha e se encontro com o Papa Francisco no Vaticano em 2013.

Beato Enrique Angelelli
Ordenado bispo em março de 1961 para ser bispo auxiliar em sua diocese de Córdoba, Dom Angelelli era bispo diocesano de La Rioja desde 1968. Durante uma viagem pastoral, o purpurado argentino foi alvo de uma emboscada em Punta de los Llanos e morreu à beira da estrada em 5 de agosto de 1976. A cena é retratada na série original Netflix. Na série, Bergoglio e Angelelli são amigos e se encontram para salvar perseguidos da ditadura.

Enrique Ángel Angelelli era considerado um bispo villerio, dos pobres. No dia 27 de abril de 2019, no Vaticano, Angelelli e outros três argentinos foram reconhecidos como beatos e mártires da Igreja Católica. Além do bispo, o padre Gabriel Longueville, o irmão Carlos Murias e o leigo Wenceslao Pedernera foram elevados aos altares.

O pároco de Chamical, Longueville, e o franciscano Murias foram os primeiros a morrer. Vítimas de tortura e mutilação, seus corpos foram encontrados em julho de 1976. Dias depois do assassinato do bispo de La Rioja, foi a vez de matar Pedernera. O agricultor líder do Movimento Católico Rural morreu diante da esposa e quatro filhos pelas mãos de quatro homens encapuzados.

A comemoração litúrgica do Beato Enrique Angelelli e seus companheiros é 17 de julho.


| INSTAGRAM| FACEBOOK| TWITTER |

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s