Francisco no Japão: Papa visita Hiroshima e Nagasaki, cidades vítimas da bomba atômica

O Papa Francisco deixou a Tailândia e neste domingo (24) visitou as duas cidades japonesas vitimadas com a bomba atômica durante a Segunda Guerra Mundial. Em Nagasaki, o Santo Padre lembrou os ataques e os mártires no Parque da Bomba Atômica Hypocenter e no Monumento dos Mártires – Nishizaka Hill. Já no Estádio de Baseball, presidiu uma missa. Antes do fim do dia, o Pontífice esteve em Hiroshima e promoveu um encontro pela paz no Memorial da Paz.

Em suas mensagens o Papa Francisco foi claro e, em alguns momentos insistente, no discurso contra as armas nucleares. Em Hiroshima, no Memorial da Paz, classificou o uso de amamento nuclear como “um crime não só contra o homem e a sua dignidade, mas também contra toda a possibilidade de futuro na nossa casa comum”. E acrescentou: “O uso da energia atômica para fins de guerra é imoral, como é imoral de igual modo a posse das armas atômicas”.

No Parque da Bomba Atômica, em Nagasaki, o Pontífice disse estar em um lugar que lembra o sofrimento que “nós seres humanos somos capazes de nos infligir”. O Santo Padre denunciou a incoerência deste mundo em “defender a paz e a estabilidade através de uma falsa segurança de uma mentalidade de medo e insegurança”. Em seu discurso, apontou para um futuro modelado pela interdependência e corresponsabilidade mútua.

Francisco pediu a todos que rezassem pela consciência dos líderes mundial e apresentou as diversas necessidade do mundo atual, em Nagasaki. Sugeriu que todos os recursos colocados em fabricação e venda de armas fossem depositados em favor dos mais pobres e da casa comum. Destacou o trabalho incansável da Igreja Católica em favor da paz e contra as armas nucleares. E disse considerar a comercialização de armas um “atentado contínuo que brada ao céu”.

Ainda no Parque da Bomba Atômica, o Papa argentino disse que ninguém pode ficar indiferente ao sofrimento, surdo ao grito do irmão ferido ou cego diante de uma cultura incapaz de dialogar. Em Hiroshima, o Santo Padre lembrou que desde o atentado, “daquele abismo de silêncio, ainda hoje continua a ouvir-se forte o grito daqueles que já não estão aqui”.

Como peregrino da Paz, o Papa se colocou em oração “recordando as vítimas inocentes de tanta violência e trazendo no coração também as súplicas e anseios dos homens e mulheres do nosso tempo, especialmente dos jovens, que desejam a paz, trabalham pela paz, sacrificam-se pela paz. Vim a este lugar cheio de memória e futuro, trazendo comigo o grito dos pobres, que são sempre as vítimas mais indefesas do ódio e dos conflitos”.

O Papa Francisco permanece no Japão até a terça-feira (26), quando encerra sua quarta viagem em 2019 e regressa ao Vaticano. Os próximos compromissos são em Tóquio, capital japonesa.

Acompanhe a cobertura da Viagem Apostólica à Tailândia e Japão no Olhar Vaticano. Curta nossa fanpage e acesse nosso site.

A foto mostra o papa de casula branca de costas olhando para os restos de uma imagem de Nossa Senhora em uma capela resgatada após os ataques nucleares.
Papa venera a imagem de Nossa Senhora recolhida após o ataque nuclear. Créditos: Vatican News

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s