Papas e as pestes, pragas, epidemias e pandemias na história: Peste Negra

Clemente VI se protegeu e salvou judeus da perseguição injusta

A série de textos sobre a relação dos Papas e da Igreja com as epidemias e pandemias da história chega a mais devastadora de todas as pragas. A Peste Negra fez com que um Papa tomasse medidas específicas para se proteger da infecção.

Peste Negra
A Peste Negra, Grande Praga ou Peste Bubônica matou até 200 milhões de pessoas na Eurásia e é considerada até os dias atuais a maior pandemia da história. Ao dizimar de 30 a 60% da população europeia, seu maior pico foi entre os anos 1346 e 1353. A doença era caracterizada por bulbos negros que eclodiam na pele e expeliam sangue e pus. A bactéria chegou ao contato humano por meio das pulgas em ratos.

Historiadores relatam o período da Peste Negra como de grande convulsão social, religiosa e econômica. Além de fazer parte de momentos como as revoltas camponesas e a Guerra dos Cem Anos, a praga afetou toda a produção agrícola, artística e intelectual. Há autores que cogitam como a principal causa do fim da Baixa Idade Média.

O Papa Clemente VI é um dos papas do período de Avignon (1309-1377), época em que o papado saiu de Roma e se exilou no sul da França. Clemente VI sobreviveu a maior pandemia da história ao seguir os conselhos médicos de acender piras ao seu redor e de distanciamento, afinal a cidade francesa não era uma grande rota. O papa beneditino contribuiu com o fim das perseguições aos judeus ao condenar o Movimento dos Flagelantes como hereges. O grupo pregava práticas de autoflagelação e disseminava pela Europa os boatos de que a Peste Negra era causada pelo envenenamento de fontes e rios. Papa Clemente VI conduziu a Igreja entre 1342 e 1352.

Outro Pontífice do período foi Inocêncio VI, de 1352 a 1362, mas sua biografia não relata proximidade com a pandemia. Além da grande devastação, a Peste Bubônica teve diversos outros períodos de surto. Historiadores acreditam que a Europa sofre com reincidentes pragas entre os anos de 1346 até 1671.

Leia também sobre a Peste Antonina, Praga de Justiniano e Praga de Cipriano em Olhar Vaticano.

Comentários

2 comentários em “Papas e as pestes, pragas, epidemias e pandemias na história: Peste Negra”
  1. Erika Maria disse:

    Salve Maria! Poderias dar-nos as fontes desse post, documentos da época..? Obrigada!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s