Os principais pontos da Encíclica Fratelli Tutti, do Papa Francisco

Francisco apresenta sua Doutrina em forma de Encíclica

A nova encíclica do Papa Francisco tem como título Fratelli TuttiTodos Irmãos – e trata da fraternidade universal e amizade social. Inspirada nas ações de diálogos e nos esforços pela paz de São Francisco de Assis, o Santo Padre escreveu um documento de proposições ecumênicas e inter-religiosas de caráter humanístico e universal. Esta é a terceira encíclica do pontificado de Bergoglio. (Leia sobre a Laudato Si, de preocupação ambiental.)

Em resumo, o documento é a sistematização do Magistério Papal de Francisco. A encíclica traz mais de 100 referências ao próprio Bergoglio de pronunciamentos, homilias e textos produzidos durante seu Pontificado. Sua maior referência é o Documento sobre a fraternidade humana pela paz mundial e a convivência comum assinado em fevereiro de 2019 em conjunto com o Grande Imã Ahmad Al-Tayyeb. Seus pontos fortes são a forte crítica ao modelo econômico atual (neoliberalismo); a defesa de uma caridade política e de uma política do perdão; a obrigatoriedade das religiões como promotoras da paz; e a apresentação em documento da cultura do encontro e Igreja em saída. A carta leva em conta ainda o contexto histórico e as consequências da pandemia de coronavírus.

Fratelli Tutti é uma encíclica social em favor dos homens e mulheres de todo o mundo. A nova encíclica parece fechar o foco trazido pela Laudato Si de encontrar a comunhão da humanidade com toda a criação, a Casa Comum, papa propor um encontro entre toda humanidade.

Vejamos um pouco mais desses importantes pontos.

Política, economia e os pobres
O Papa vêm em defesa total do ser humano, deseja que cada um possa “dar-se conta de quanto vale um ser humano, de quanto vale uma pessoa, sempre e em qualquer circunstância.” Ao colocar todo e qualquer ser humano no mesmo patamar de importância e dignidade, Francisco condena o elitismo das ciências e da economia.

Seu documento afirma que o liberalismo e a austeridade são conceitos difíceis de sustentar. Reivindica o favorecimento dos excluídos e exige o cumprimento dos direitos humanos universais. “O mercado, por si só, não resolve tudo, embora às vezes nos queiram fazer crer neste dogma de fé neoliberal”, escreve.

Inclusive o direito a propriedade privada e liberdade de comércio são questionados em um contexto que os seres humanos e o meio ambiente devem ser prioridade.

Sobre a pandemia de coronavírus, a classifica como uma tempestade que desmoronou a maquiagem do eu e nos chamou a atenção para a pertença comum. “Não quero dizer que se trate duma espécie de castigo divino. Nem seria suficiente afirmar que o dano causado à natureza acaba por se cobrar dos nossos atropelos”, documenta Bergoglio.

Crítica a economia global, o globalismo que esmaga os pobres e minorias, a perda de sentido da história, o individualismo e consumismo, o descarte com idosos, refugiados e deficientes. Fala de racismo e até preconceito de gênero. Reclama de deterioração da ética e enfraquecimento de valores espirituais. Condena a guerra e a pena de morte em qualquer situação. Como solução prega a reforma da arquitetura econômica e das Nações Unidas.

Ao utilizar a Parábola do Bom Samaritano, prega por uma política voltada à caridade e ao perdão, sem esquecimento das dívidas históricas e erros cometidos. “Precisamos de fazer crescer a consciência de que, hoje, ou nos salvamos todos ou não se salva ninguém. A pobreza, a degradação, os sofrimentos dum lugar da terra são um silencioso terreno fértil de problemas que, finalmente, afetarão todo o planeta”, sentencia o Santo Padre.

Diálogo, ecumenismo e religiões
Francisco acredita no potencial das religiões como promotras de uma nova sociedade e de uma cultura de paz. Em todo o documento o diálogo é o ponto alto da construção da fraternidade e amizade social. Para o Papa não há outro caminho possível, não existe uma opção mais viável.

“O diálogo social autêntico pressupõe a capacidade de respeitar o ponto de vista do outro, aceitando como possível que contenha convicções ou interesses legítimos. A partir da própria identidade, o outro tem algo para dar, e é desejável que aprofunde e exponha a sua posição para que o debate público seja ainda mais completo”, apresenta o documento.

Cultura do encontro
Ponto alto do entendimento de Jorge Bergoglio, antes mesmo de se tornar Papa, a cultura do encontro ganha destaque no documento. O Papa deseja “fazer crescer uma cultura do encontro que supere as dialéticas que colocam um contra o outro”, como ensinamento e doutrina aos mais jovens. Francisco escreve que a cultura do encontro “significa que nos apaixona, como povo, querer encontrar-nos, procurar pontos de contacto, lançar pontes, projetar algo que envolva a todos. Isto tornou-se uma aspiração e um estilo de vida. O sujeito desta cultura é o povo, não um setor da sociedade que tenta manter tranquilo o resto com recursos profissionais e mediáticos”.

Igreja em saída, de portas abertas
A Igreja de portas abertas também é tema direto do documento. Mesmo sem escrever, é possível fazer a relação da Igreja em saída proposta pela América Latina e da Igreja como hospital de campanha pronunciada por Bergoglio. “A Igreja é uma casa com as portas abertas, porque é mãe. E como Maria, a Mãe de Jesus, queremos ser uma Igreja que serve, que sai de casa, que sai dos seus templos, que sai das suas sacristias, para acompanhar a vida, sustentar a esperança, ser sinal de unidade para lançar pontes, abater muros, semear reconciliação”, escreve.

Outras referências importantes do documento
Ao final do texto, o Papa cita como grande inspiração São Francisco de Assis, mas fala diretamente de Martin Luther King, Desmond Tutu, Mahatma Mohandas Gandhi e, com destaque, o eremita Beato Carlos de Foucauld.

Mais do que o Samba da Benção de Vinícius de Moraes, destacado pela mídia brasileira, é importante destacar a presença de citações literais dos Papas Bento XVI, João Paulo II, Paulo VI, João XXIII e Pio XI. Além de algumas referências às assembleias episcopais de diferentes regiões do mundo. Algumas contribuições interessantes do pensamento de Francisco aparecem também com Karl Rhaner, Georg Simmel e Paul Ricoeur.

Leia Fratelli Tutti, sobre a fraternidade e a amizade social, na íntegra aqui.

Autor: Thiago Caminada

Jornalista, Mestre em Jornalismo (UFSC). Coordenador do "Olhar Vaticano". Assessor de comunicação, servidor público de carreira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s