A foto mostra em preto e branco uma das sessões do Concílio Ecumênico Vaticano II na Basílica São Pedro.

Mudar para continuar igual

Para quem não consegue lembrar ou que não era vivo nessa época, até meados da década de 1960 a missa era bem diferente do que é agora. Não havia participação de grupos de músicas, o padre celebrava de costas para a assembleia e em latim. As mudanças de rito abalaram a forma como a Igreja se inseria no mundo e iniciaram a partir da realização do Concílio Vaticano II (1962-1965), a maior reunião religiosa do século XX.

A foto mostra a sala sinodal no Vaticano. No primeiro plano um índio com cocar e ao fundo o Papa Francisco.

Principais pontos do Documento Final do Sínodo da Amazônia

Em meio a todas polêmicas e movimentos de apoio e protestos, o Sínodo Pan-Amazônico chegou ao fim em 27 de outubro, no Vaticano. O encontro reuniu cardeais, bispos, padres, religiosos, religiosas e especialistas com o Papa Francisco para debaterem sobre a atuação da Igreja Católica na região. O Documento Final do Sínodo da Amazônia confirmou diversas ideias levantadas pela Instrumento de Trabalho. Entre elas se destaca a possibilidade de um novo ministério para celebrar a eucaristia e da criação de um rito amazônico; o protagonismo feminino; e os esforços de ecumenismo e diálogo interreligioso.

Continuação: Entrevista com Dom Guilherme Werlang, bispo de Lages

Um olhar sobre sobre os pontificados de João Paulo, Bento e Francisco e a Reforma na Igreja | Os Santos Padres e a reforma da Cúria Romana e da Igreja são os assuntos da segunda parte da entrevista com dom Guilherme Antônio Werlang. Neste trecho, o bispo de Lages apresenta a continuação do Magistério da Igreja e dos preceitos do Concílio Vaticano II através dos pontificados de São João Paulo II, Bento XVI e Francisco. Dom Guilherme também fala da necessidade e importância da reforma da Cúria, de sua continuidade e da formação dos sacerdotes.

O bispo está de camisa de clerygman cinza e cruz peitoral sentado à mesa. Ele olha para a esquerda com as mãos abertas enquanto fala. Ao fundo uma janela deixa entrar a luz na sala de reuniões.

Entrevista com Dom Wilson Jönck, Arcebispo da Arquidiocese de Florianópolis

Um Olhar sobre os Papas Bento e João Paulo e sobre a Igreja Arquidiocesana e em Santa Catarina | Conseguir um horário na agenda de um médico especialista pode exigir empenho e um tempo de espera. O que não imaginar da agenda de um arcebispo? Para marcar esta entrevista, aproveitei a vinda de Dom Wilson para Itajaí. Ele veio empossar o novo pároco de São Pedro, na Itaipava, padre Iseldo Scherer. Antes mesmo da missa começar, abordei nosso bispo na porta da igreja. Com sua característica sutileza, ele me ouviu e pediu gentilmente que eu ligasse para a Cúria na segunda-feira. Em menos de um mês, eu entrevistava e a Bruna Bertoldo fotografava o Arcebispo da Arquidiocese de Florianópolis na sala de reuniões da Cúria Metropolitana na capital do estado.

Pode me chamar de Francisco: Os cardeais da série: Aramburu, Quarracino e Bergoglio

A série original Netflix Pode me chamar de Francisco sobre a vida do primeiro papa latino americano apresenta em sua trama três cardeais. São os arcebispos de Buenos Aires Juan Carlos Aramburu, Antonio Quarracino e Jorge Mario Bergoglio, o protagonista da série. Durante as cenas do Conclave outros cardeais também aparecem, mas são apenas figurantes na história.

A imagem mostra cinco cardeais de costas com batina preta e de solidéu vermelho.

Resenha: As sandálias do pescador, de Morris West

FICÇÃO, MAS NEM TANTO… | Lançado em 1963, o livro do jornalista australiano Morris West apresenta uma Igreja pré-concílio Vaticano II. Historicamente, nesse ano temos a morte de João XXIII, a eleição de Paulo VI e a retomada das discussões conciliares que culminaram em 1965 com seu encerramento. Porém, engana-se quem acredita que muitos dos dilemas ali retratados foram finitos com as reformas propostas pelos padres conciliares.