A foto mostra o Papa Francisco recebendo as ofertas das mãos de índios durante a misa na Basílica São Pedro.

Sínodo Pan Amazônico: Francisco combate o fogo com fogo na missa de abertura

O Papa Francisco abriu o Sínodo Pan Amazônico neste domingo (06), em uma missa solene na Basílica São Pedro. O Pontífice demonstrou toda sua habilidade ao evocar o Espírito Santo e sobrepor seu fogo e sua ação aos interesses conflitantes na região. Contra o fogo da devastação, Francisco clamou o fogo espiritual que queima sem destruir.

O papa Francisco saúda uma indígena em sua visita ao Peru. O papa sorri enquanto a índia fala com cocar na cabeça.

O Sínodo e a evangelização podem interferir na preservação da Amazônia?

O Sínodo Pan-Amazônico reunirá cardeais, bispos, padres e especialistas de todo o mundo para discutir a atuação da Igreja Católica na região da maior floresta tropical do mundo. O encontro convocado pelo Papa Francisco acontecerá no Vaticano entre os dias 6 e 27 de outubro e recebe a atenção da imprensa internacional, de políticos, prelados e fiéis.

Continuação: Entrevista com Dom Frei Severino Clasen, bispo da Diocese de Caçador

Um olhar em defesa da CNBB, das reformas de Francisco e da criação de novas dioceses | Neste segundo trecho da entrevista Dom Frei Severino Clasen defende a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e aponta como heréticos os grupos que não estão em comunhão com a Igreja. O bispo de Caçador também falou sobre a polêmica da acusação de ter feito campanha para o candidato Fernando Haddad (PT) em 2018. O Papa Francisco e a criação de mais duas dioceses e arquidioceses em Santa Catarina também estiveram em pauta.

Na foto Dom Guilherme está sentado à mesa com os braços cruzados sobre ela. Ele olha em diagonal para a frente. Atrás dele, na parede, estão os quadros de seus antecessores.

Entrevista com Dom Guilherme Werlang, bispo de Lages

Um olhar em defesa da CNBB e sobre a Diocese de Lages | Dom Guilherme Antônio Werlang é o bispo mais recente em Santa Catarina, há pouco mais de um ano em Lages. Viveu grande parte de seu ministério sacerdotal e episcopal no Rio Grande do Sul e Goiás. O catarinense de São Carlos exerceu cargos de grande importância na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) como a presidência da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz. Em entrevista exclusiva para o Olhar Vaticano, Dom Guilherme fala de sua diocese, da possibilidade de criar uma nova arquidiocese no estado e, em especial, do Sínodo Pan-Amazônico, rebate todas as críticas lançadas à CNBB. Concedida na Cúria Diocesana de Lages, a entrevista aconteceu em 23 de maio de 2019, dia dos primeiros protestos nacionais contra os cortes de verbas no Ministério da Educação do governo Bolsonaro – um dos críticos citados pelo bispo.