A foto mostra o Papa Francisco de perfil sorrindo, ao fundo alguns arbustos.

Economia de Francisco será caminho para um novo mundo pós pandemia

Convocado pelo Papa Francisco em maio de 2019, o encontro Economia de Francisco pode ser o marco de um mundo assolado pela pandemia de coronavírus (COVID-19) reunido para pensar um novo mundo pós pandemia. Quando o evento foi convocado pela Papa, o novo vírus que ultrapassou a marca de um milhão de mortos nesta segunda-feira (28) ainda sequer existia ou não se sabia de sua existência. Entretanto, a conferência convocada pelo Pontífice seria em Assis, Itália, entre os dias 26 e 28 de março de 2020, pico mundial das mortes pelo vírus letal, teve sua data transferida.

Continuação: Entrevista com Dom Frei Severino Clasen, bispo da Diocese de Caçador

Um olhar em defesa da CNBB, das reformas de Francisco e da criação de novas dioceses | Neste segundo trecho da entrevista Dom Frei Severino Clasen defende a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e aponta como heréticos os grupos que não estão em comunhão com a Igreja. O bispo de Caçador também falou sobre a polêmica da acusação de ter feito campanha para o candidato Fernando Haddad (PT) em 2018. O Papa Francisco e a criação de mais duas dioceses e arquidioceses em Santa Catarina também estiveram em pauta.

A imagem mostra na primeira parte o Papa Francisco sorrindo com a mão direita no queixo. Acima da foto está escrito o nome do autor "Leonardo Boff". E abaixo está escrito "Francisco de Assis Francisco de Roma Um nova primavera na Igreja?". No outro lado, à direita, uma ilustração com São Francisco de Assis ao lado de uma pomba branca e com uma maçã na mãos esquerda. Ao fundo casas e um árvore florida. Acima da ilustração está escrito "Leonardo Boff". E abaixo está escrito "Francisco de Assis Francisco de Roma Um nova primavera na Igreja?".

Resenha: Francisco de Assis e Francisco de Roma: uma nova primavera na Igreja?, de Leonardo Boff

As ideias de um teólogo renegado | A eleição de Jorge Bergoglio como papa e a escolha do nome de Francisco motivou o controverso e renegado teólogo brasileiro Leonardo Boff a escrever mais uma vez sobre a Igreja Católica. De notória capacidade intelectual, Boff liderou a chamada Teologia da Libertação, vertente teológica muito difundida na América Latina nas décadas de 1970 e 1980. Como padre e religioso pediu afastamento em 1992, prestes a receber outra advertência pública da Congregação da Doutrina da Fé, deixando a Ordem dos Frades Menores (Franciscanos). Por isso, apesar de toda a polêmica envolvendo sua trajetória, Boff é alguém interessante a se ouvir quando sobre ao trono de Pedro um bispo latino-americano, que escolhe o nome de Francisco e, assim como ele, teve formação teológica em escolas alemãs.