A foto mostra o Papa Francisco caminhando dentro do santuário de Assis acompanhando por um frei franciscano de hábito cinza.

Os principais pontos da Encíclica Fratelli Tutti, do Papa Francisco

A nova encíclica do Papa Francisco tem como título Fratelli Tutti – Todos Irmãos – e trata da fraternidade universal e amizade social. Inspirada nas ações de diálogos e nos esforços pela paz de São Francisco de Assis, o Santo Padre escreveu um documento de proposições ecumênicas e inter-religiosas. Esta é a segunda encíclica do pontificado de Bergoglio, a primeira foi Laudato Si, de preocupação ambiental.

A foto mostra o Papa Francisco de perfil sorrindo, ao fundo alguns arbustos.

Economia de Francisco será caminho para um novo mundo pós pandemia

Convocado pelo Papa Francisco em maio de 2019, o encontro Economia de Francisco pode ser o marco de um mundo assolado pela pandemia de coronavírus (COVID-19) reunido para pensar um novo mundo pós pandemia. Quando o evento foi convocado pela Papa, o novo vírus que ultrapassou a marca de um milhão de mortos nesta segunda-feira (28) ainda sequer existia ou não se sabia de sua existência. Entretanto, a conferência convocada pelo Pontífice seria em Assis, Itália, entre os dias 26 e 28 de março de 2020, pico mundial das mortes pelo vírus letal, teve sua data transferida.

A foto mostra uma senhora idosa olhando sorridente o Papa Francisco enquanto ele a abraça.

Pode me chamar de Francisco: o Papa é da Teologia da Libertação?

Muitos apontam o Papa Francisco como defensor ou correligionário de várias correntes ou ideologias. Por má fé, ou desconhecimento não é difícil achar termos como: Bergoglio Comunista, Papa Soviético, Francisco de Esquerda, Papa da Teologia da Libertação e muitos outros. Alguns ousam chamar o Pontífice de herege e até de anti-papa. No entanto, o que parece ser um consenso entre os especialistas e teólogos, é que Francisco é um Papa dos Pobres alicerçado pela chamada Teologia do Povo.

Continuação: Entrevista com Dom Guilherme Werlang, bispo de Lages

Um olhar sobre sobre os pontificados de João Paulo, Bento e Francisco e a Reforma na Igreja | Os Santos Padres e a reforma da Cúria Romana e da Igreja são os assuntos da segunda parte da entrevista com dom Guilherme Antônio Werlang. Neste trecho, o bispo de Lages apresenta a continuação do Magistério da Igreja e dos preceitos do Concílio Vaticano II através dos pontificados de São João Paulo II, Bento XVI e Francisco. Dom Guilherme também fala da necessidade e importância da reforma da Cúria, de sua continuidade e da formação dos sacerdotes.

Na foto Dom Guilherme está sentado à mesa com os braços cruzados sobre ela. Ele olha em diagonal para a frente. Atrás dele, na parede, estão os quadros de seus antecessores.

Entrevista com Dom Guilherme Werlang, bispo de Lages

Um olhar em defesa da CNBB e sobre a Diocese de Lages | Dom Guilherme Antônio Werlang é o bispo mais recente em Santa Catarina, há pouco mais de um ano em Lages. Viveu grande parte de seu ministério sacerdotal e episcopal no Rio Grande do Sul e Goiás. O catarinense de São Carlos exerceu cargos de grande importância na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) como a presidência da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz. Em entrevista exclusiva para o Olhar Vaticano, Dom Guilherme fala de sua diocese, da possibilidade de criar uma nova arquidiocese no estado e, em especial, do Sínodo Pan-Amazônico, rebate todas as críticas lançadas à CNBB. Concedida na Cúria Diocesana de Lages, a entrevista aconteceu em 23 de maio de 2019, dia dos primeiros protestos nacionais contra os cortes de verbas no Ministério da Educação do governo Bolsonaro – um dos críticos citados pelo bispo.

A foto mostra os cardeais de batina vermelha na basílica na celebração da Paixão. Ao fundo está o frei capuchinho proferindo a homilia. Ao lado está o papa Francisco.

Semana Santa: A Páscoa é a festa de todos os pobres e excluídos

Às três da tarde de Roma, o Papa Francisco presidiu a Celebração da Paixão do Senhor, na Basílica São Pedro, nesta Sexta-Feira Santa (19). A celebração foi marcada pelo característico silêncio. Depois da tradicional narrativa da Paixão, a pregação sobre os sofrimentos de Cristo na cruz foi conduzida pelo Padre Raniero Cantalamessa, Frei Capuchinho pregador pontifício desde 1980.